MENU

O dia internacional da Mulher: uma verdade inconveniente

"A formosura é uma ilusão, e a beleza acaba, mas a mulher que teme o SENHOR Deus será elogiada. Deem a ela o que merece por tudo o que faz, e que seja elogiada por todos". Provérbios 31.30


O dia internacional da Mulher: uma verdade inconveniente

Por esses dias tive que pesquisar sobre Shirley MacLaine, atriz estadunidense com 5 indicações ao Oscar, levando um na atuação de Laços de ternura. Também atuando, esplendidamente, em Flores de aço, O guarda-costas, Bruxas de Salém e muitos outros títulos. Shirley possui também uma estrela na calçada na fama.

Como escritora, Shirley se aventurou, e foi bem-sucedida, em livros que ensinavam metafísica e espiritualidade. Alguns deles foram autobiográficos que narram, sobretudo, a sua crença na reencarnação e nos fenômenos sobrenaturais, afirmou que conversa constantemente com Extraterrestres e outros seres, diz ainda que a sua alma foi emancipada enquanto relaxava dentro de uma banheira, fez viagens astrais, das quais se orgulha. Um dos seus livros mais famosos é “Minhas vidas,” que virou um documentário. Shirley viveu com seu esposo por mais de 50 anos, algo bem fora do comum em Hollywood. Shirley diz não temer a morte, e afirma que, antes que isso aconteça, tem uma causa a ser concluída. Se você der uma rápida olhada em sua carreira verá que Shirley assegura ter sido chamada a “pregar um evangelho”, o dos ETs e dos seres sobrenaturais.

Shirley afirma ter se encontrado com o inaudito por volta dos seus 43 anos, de lá para cá, ela foi tomada por uma visão de mundo e de futuro, na qual devotou seus outros 40. Tem 83 anos. Escreveu livros, deu palestras, e até dirigiu um filme autobiográfico onde o objetivo maior não foi sua carreira de atriz, mas a sua peregrinação em busca de uma verdade que lhe preenchesse a existência.

Me lembrei do mesmo modo da profetiza Ana, que por 84 anos devotou sua vida à espera de Cristo. Ela ficava no templo, aguardando, e então, um dia ela o viu chegar, e o pegou nos braços e se deu por satisfeita, estava pronta para morrer.

Por que, hoje, lembrei de Shirley e de Ana? Por uma razão em especial: foco.

Esqueçamos, por um momento a senhora MacLaine e nos voltemos para nós, mulheres cristãs da atualidade, com vários rostos e formas, em várias atuações, dentro e fora do lar.

Você já parou para pensar que para o restante do mundo, hoje não é o dia da mulher “criada à imagem e semelhança de Deus?” O mundo exalta hoje, não a mulher segundo as Escrituras, não a feminilidade bíblica, mas a mulher conforme a imagem do nosso século. Empoderada, enérgica, dona do seu corpo e do seu útero, dona da vida e da morte. Hoje é um dia de enaltecimento, de louvor, de honra, não à mulher do Éden antes da queda, não à mulher redimida.

Para o mundo somos super. Mulheres livres, donas do nosso destino, lutadoras, genuínas. Contudo, a verdade é um pouco diferente. Porque muitas das mulheres que hoje recebem e trocam banners afirmativos têm suas vidas destroçadas pela má escolha de parceiros, têm vícios, têm crimes e irresponsabilidades no currículo.  E, será que todas sem exceção, são, de fato lutadores por seus lares, assumem filhos e se responsabilizam por seus atos? … será?

A verdade crua é que, nós mulheres no mundo precisamos de redenção. Deus nos criou de forma perfeita, mas, nos perdemos no Éden. Por isso a dificuldade que temos com nossas famílias, sofremos opressão, desqualificação, somos escravas de nós mesmas e de nossas escolhas nada sábias. Somos oprimidas por dentro e por fora, por todos os lados. E a boa notícia é que este grilhão foi quebrado na Cruz do Calvário, por um homem, justo, amoroso, o segundo Adão. Cristo veio aqui para ser o homem que Adão não conseguiu ser. O noivo amoroso, o marido fiel, salvador do corpo e da alma.

Por isso, nós mulheres cristãs, não podemos perder tempo compartilhando mensagens vazias, destituídas da verdadeira mensagem do evangelho. Vamos ter foco. Por isso, tomemos cuidado com o que compartilhamos no dia de hoje. Por trás de muitos banners estão mensagens mais parecidas com a deusa grega Gaia, criadora dos céus, desbravadora, mãe impecável.

Em uma derradeira entrevista feita nos palcos do Oscar, Shirley MacLaine disse que estava esperando a morte chegar, parece que ela estava bem convicta que fez o que tinha de ser feito. Mal sabendo que a sua história foi escrita na areia. E caso não seja alcançada pelo amor regenerador de Cristo, este esforço lhe será completamente inútil.

Diferente de Shirley e à semelhança de Ana, devemos aproveitar o dia de hoje para nos devotar à pregação do verdadeiro evangelho. O de mulheres pecadoras, incapazes de pagar uma dívida eterna, frágeis, redimidas no Cristo ressurreto, o nosso noivo amoroso. E por isso, submissas ao nosso amado Deus e aos nossos pais e maridos no Senhor. Podemos nos lembrar também que, acima de tudo, nossos nomes foram escritos no livro da vida. Só por isso eu desejaria para todas nós, um feliz dia da mulher!

“A formosura é uma ilusão, e a beleza acaba, mas a mulher que teme o SENHOR Deus será elogiada. Deem a ela o que merece por tudo o que faz, e que seja elogiada por todos”. Provérbios 31.30



Jornalista pelo Mackenzie, estudou teologia no IBEL onde descobriu o seu amor por missões e pela noiva de Cristo. Atualmente está ajudando seu esposo, pastor Nelson Ferreira, na implantação de uma igreja no Grajaú, SP. Mestranda em Teologia filosófica no Centro Presbiteriano de Pós-graduação Andrew Jumper.

Assuntos:


Deixe sua opinião!