MENU

Devo celebrar a justiça humana?

Ele mesmo julga o mundo com justiça; governa os povos com retidão. Salmos 9:8


Ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva
Devo celebrar a justiça humana?

Paulo nos ensina nas Escrituras que toda autoridade política é constituída por Deus, ou seja, os líderes das nações são colocados lá por Deus para que estes administrem o bem comum, e por isso merecem a nossa consideração e obediência (Rm 13). Ao mesmo tempo em que Deus os colocou lá ele também espera que estas autoridades ajam com justiça e apreço pelo bem, com graves e solenes promessas de que essa responsabilidade será cobrada de cada um pelo próprio Rei das nações.

Uma pergunta que tem sido levantada é se hoje podemos comemorar a prisão de um alto governante político, o Lula da Silva, que mesmo sem cargo tem influenciado e gerido a vida pública da nossa nação, pelo grande influência que exerce nos meios políticos.

Devo comemorar ou devo me entristecer porque um homem se prostituiu e prostituiu a governança de nossas instituições?  Este homem é inocente ou culpado?

Para os petistas verdadeiros Lula é inocente. E porque acreditam nesta inocência? Porque creem que os crimes cometidos por ele e seus asseclas não são crimes, mas, são meios para um bem muito mais elevado, para uma causa maior em que acreditam, a saber, a instalação de uma pátria comunista. E para que este objetivo fosse concretizado teriam que se desviar recursos públicos. Lula fez o que devia ser feito.

O maior problema dos comunistas sempre foram as famigeradas eleições ocorridas a cada 4 anos. A cada vez em que Lula foi eleito pela democracia, o sentimento da corte era que, com o passar do tempo estas malditas eleições fossem sendo diminuídas e descartadas, em definitivo, porque o Rei chegou. Para eles, Lula da Silva é o único capaz de entender o pobre e dar a ele o que necessitava. Enquanto isso não acontecia o rei e sua família poderiam pegar quanta riqueza precisassem, eles merecem, eles são dignos.

Embaixo do palácio, a gente humilde não tinha a menor ideia do que se conversava nos pórticos do poder petista. Daqui de baixo as pessoas que não eram socialistas, aliás, nem sabiam ao certo que isso existia, achavam que iam continuar elegendo o seu líder todas as vezes. E este líder poderia ser o Lula sim, e porque não? Ele era pobre, simples, dado às humildades de gente como a gente. A maioria acreditava que ele não tinha riquezas, somente o salário e as benesses do cargo de presidente. Mal sabiam eles que este líder foi treinado para se perpetuar no poder, para não largar o osso até tomar o Brasil, repartir as capitanias e cargos entre seus companheiros, em suma, gerir a nação a partir do comunismo.

Mas, este é só um lado da história. O que aconteceu em seguida mudou as regras e o mecanismo das noções políticas. Quem leu a obra de George Owen, 1984, obra que foi escrita em 1945, já antevia o final da história do sindicalista e do seu amigo Fidel Castro, que desde a década de 1970 já desejavam um rumo comunistas para a América latina. Nesta obra de Owen, acontece uma revolução em uma fazenda capitalista, todos os animais assumem o poder da fazenda, expulsam o fazendeiro e repartem os bens entre todos. Os porcos, porque falavam melhor, porque tinham mais iniciativa, assumiram a organização destes bens. Não muito tempo depois, os porcos socialistas vão se distanciando dos demais, instalam-se na casa do fazendeiro, começam a comer um pouco melhor, a dormir em camas melhores, tudo por causa da nobreza da função que ocupam. Enquanto os restantes dos animais dormem entulhados nos celeiros e levantam cedo para produzir, os porcos administram os produtos e ganhos.

Com o passar do tempo os porcos começam a matar aqueles que começam a enxergar riquezas e futilidades no modo de vida deles, e cresce a desconfiança de que os porcos estão mais ricos e confortáveis que o antigo fazendeiro. Coisa que era proibida no código de ética do celeiro. Ninguém poderia ser como o fazendeiro, tomar vinho e dormir em camas eram práticas proibidas, por serem imorais. O final desta história é justamente o final do grupo petista brasileiro; dinheiro, poder, conforto, conforto, poder e dinheiro, aconteceu como um ciclo. E então, os porcos foram enxotados e os animais ficaram sem saber o que fazer, desorientados.

Muitos dos seguidores de Lula o defendem e o dão por inocente, apoiando incondicionalmente suas práticas nada republicanas, porque criam que mais a frente os próprios pobres iriam também desfrutar deste socializar. Todo esse conforto dos dirigentes iria ser estendido às massas. Por isso que a repartição deste despojo, os bens do capitalismo arrecadado do salário mensal do trabalhador que levanta ás 4 da manhã, é lícita, conveniente e nobre. Ah, e quanto aos outros que não eram do partido e que também enriqueceram com a ajuda do Lula da Silva? Infelizmente esta era a única forma de dar continuidade à causa socialista, por isso os Paulo Roberto Costa, os Youssefs, os Temers, os Aécios e os Renans, seguindo lista infinita…admitem.

Para quem não é petista, ou militante, ou comunista, ou socialista comprometido com um projeto de poder, Lula da Silva é culpado sim. Roubou e deixou roubar. As extensões da importância em se enfiar numa cadeia um político desse naipe fala muito alto e de forma grandiosa a respeito de nossas leis e códigos civis de ética pública. A lei é para todos. Pobres e ricos, grandes e pequenos, ladrões de galinha a corruptos do Planalto Central. Todos devem responder por seus crimes. Lula se aliou a toda espécie ruim da velha política. Sempre se roubou neste país, mas, Lula da Silva elevou estes índices ao absurdo impensável. Dada as realidades e amplitudes desse acontecimento nesta terra em que a justiça é torcida todos os dias nas instancias mais altas, favorecendo os poderosos políticos e seus amigos, é mais que compreensível que se comemore esse encarceramento.

Pela grande responsabilidade que este cidadão teve em suas mãos, pela grande quantidade de dinheiro a que teve livre acesso. Ele teve as chaves de todas as instituições por 13 anos ininterruptos. Ele foi um governante máximo, o pai da nação, e não resguardou a coisa pública, com temor e tremor. Outros fizeram? outros fizeram e não foram pegos. Não foram pegos porque a lei foi escrita por eles, e ainda mais, não existiu um grupo de homens corajosos, como tivemos nestes últimos dias que enfrentaram estes poderosos. E se não foram pegos devemos deixar todos soltos?

Os crimes de Lula não são comuns e nem de somenos, visto que a corrupção de um governante não é a mesma de um ladrão de galinhas, as proporções do prejuízo causado aos mais pobres e sofridos de nossa terra é gigantesca. Diante de Deus o pecado é sempre pecado, o menor deles é digno de morte, já diante dos homens o prejuízo pode ser qualificado em mais e menos destrutivo para os demais. Quando um governante rouba ele está prejudicando o direito ao conforto de milhares de pessoas que entregam, diuturnamente, dinheiro nas mãos do governo para serem distribuídos entre todos em forma de justiça social.

Vejo muitos crentes condenando que se comemore o fato de que um ladrão rico e poderoso foi pego pela justiça. Estes acham que é muito triste ver um homem sendo preso, e que comemorar esta prisão é desdenhar da pessoa. Outros questionam se depois desta prisão tão espetacular, os crimes cessarão. Digo que todo ato de justiça deve ser comemorado a plenos pulmões pela gente de bem, pelos cristãos mais ainda. A necessidade de acabar com outros crimes e prender outros criminosos não diminuiu a importância destes humildes começos. Há esperança para o Brasil e que muitos mais venham a sofrer o golpe da lei.

Podemos concluir lembrando deste versículo que diz: “Para uma pessoa honesta, é uma alegria quando se faz justiça; mas para os que praticam a iniquidade isso é um espanto”. Provérbios 21:15.

Toda forma de justiça vem lá do alto, do Pai das luzes. Quando qualquer juiz na terra dá ao bandido aquilo que ele mereceu, Deus está sendo exaltado e glorificado, mesmo que este juiz tenha feito por qualquer outra razão. Porque a JUSTIÇA é sempre vinda de Deus. Lembrando de pessoas que fizeram parte deste processo chamado Lava Jato, que são juiz cristãos, capazes e comprometidos com as Escrituras como o juiz Marcelo Bretas e o Procurador da República Deltan Dallagnol, por isso, ao menos hoje podemos comemorar.

“ O Senhor faz justiça e defende a causa dos oprimidos”. Salmos 103:6

“A lei sairá de mim; minha justiça se tornará uma luz para as nações. Minha retidão logo virá, minha salvação está a caminho, e meu braço trará justiça às nações”. Is 49.8

“Deus é um juiz justo, um Deus que manifesta cada dia o seu furor. Se o homem não se arrepende, Deus afia a sua espada, arma o seu arco e o aponta, prepara as suas armas mortais e faz de suas setas flechas flamejantes”. Salmos 7:11-13

“Porque eu, o Senhor, amo a justiça e odeio o roubo e toda maldade. Em minha fidelidade os recompensarei e com eles farei aliança eterna”. Isaías 61:8

 soli deo gloria



Jornalista pelo Mackenzie, estudou teologia no IBEL onde descobriu o seu amor por missões e pela noiva de Cristo. Atualmente está ajudando seu esposo, pastor Nelson Ferreira, na implantação de uma igreja no Grajaú, SP. Mestranda em Teologia filosófica no Centro Presbiteriano de Pós-graduação Andrew Jumper.

Assuntos: , ,


Deixe sua opinião!